Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/11690/686
Authors: Abreu, Ana Maria Lima do Rêgo de
Title: Limiares de dor, níveis séricos e variantes genéticas de serotonina em fibromialgia: uma associação de base familar
Keywords: Fibromialgia;Dor;Polimorfismo;Serotonina
Issue Date: 2016
Publisher: Centro Universitário La Salle
Abstract: A fibromialgia é uma síndrome caracterizada por dor crônica e difusa em pontos musculares anatomicamente definidos sem evidências de lesões ou sinais de patologia orgânica detectável em exames laboratoriais e de imagem. Caracteriza-se por dor crônica generalizada há mais de três meses e está associada com insônia, ansiedade, depressão, fadiga, parestesia, rigidez articular e alterações digestivas. O diagnóstico, é predominantemente clínico. Acomete preferencialmente mulheres entre 30 e 50 anos. Sua etiologia ainda não foi elucidada, porém o mecanismo patológico mais discutido é o de uma alteração na percepção da dor, mediada por neurotransmissores excitatórios e inibitórios no Sistema Nervoso Central, aspectos genéticas e situações de estresse. O objetivo desse estudo foi investigar a associação entre limiares de dor, níveis séricos e polimorfismos de serotonina em pacientes com fibromialgia e suas filhas. Trata-se de um estudo transversal, aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa do Hospital de Clínicas de Porto Alegre-RS (HCPA), realizado no Laboratório de Dor e Neuromodulação do HCPA. Foram recrutadas 35 mulheres com diagnóstico de Fibromialgia e 39 filhas com idade superior a 18 anos sem o diagnóstico da patologia. Todas assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). Foram utilizados os seguintes instrumentos: Questionário Sócio-Demográfico, Escala funcional de Dor, Inventário de Depressão de Beck (BDI–II), Escala de Ansiedade Traço-Estado (STAI), Escala de Catastrofismo, escala de Resiliência, Questionário da Qualidade de Sono de Pittsburgh, Limiar de dor à Pressão (Algômetro, Somedic AB, Stockholm, Sweden), Teste Sensorial Quantitativo (QST), Modulação da Dor Condicionada (CPM), Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ). Os polimorfismos do receptor serotonina (5HT2A) foram analisados em sangue pela técnica da reação em cadeia da polimerase em tempo real (RT-PCR). Os dados foram tabulados e analisados em programa estatístico SPSS versão 20.0. Os resultados demonstraram uma diferença significativa no perfil da dor crônica, comportamento do tipo depressivo, estado de ansiedade, catastrofismo total, resiliência e presença de distúrbio do sono, nos quais as mães obtiveram os maiores resultados. O CPM, mostrou diferenças significativas P= 0,003, onde as mães apresentam maiores valores, indicando uma atividade menos eficiente do sistema de modulação descendente. No questionário IPAQ o resultado da amostra foi homogêneo evidenciando que ambos os grupos em sua prevalência é ativo. Níveis séricos de serotonina não apresentaram diferença significativa, enquanto o estradiol sim, P <0,001, com níveis maiores nas filhas. A análise dos polimorfismos do gene do 5-HT2A demonstrou frequências de 28,6%, 25,7 e 45,7% para os genótipos C/C, T/T e C/T respectivamente, nas mães com fibromialgia, e de 25,7%, 17,1% e 57,1%, no grupo de filhas, sem diferenças significativas nos três genótipos entre mães e grupo filhas. Apesar da FM ser composta por múltiplas características que refletem em uma diversidade de causas, sendo a genética apontada como um importante fator, o estudo concluiu que o polimorfismo do receptor 5-HT2A da serotonina não parece estar envolvido diretamente nos mecanismos de desenvolvimento da síndrome, assim, considerando seus fatores poligênicos novos estudos são necessários pois o entendimento da genética envolvida na FM pode levar a novos tratamentos, bem como a escolher medicações mais adequadas para um tratamento individualizado.
Fibromyalgia (FM) is a syndrome characterized by chronic and diffuse pain in anatomically defined muscle points without evidence of lesions or signs of organic pathology detectable in laboratory and imaging exams. It is characterized by chronic pain generalized for more than three months and is associated with insomnia, anxiety, depression, fatigue, paresthesia, joint stiffness and digestive alterations. Diagnosis is predominantly clinical. Women between 30 and 50 years are most often affected. Although the etiology is unknown, the most discussed pathological mechanism of Fibromyalgia is a change in the perception of pain, mediated by excitatory and inhibitory neurotransmitters in the Central Nervous System, with contribution from genetic and environmental factors. The aim of the study was to investigate the association between pain thresholds, serum levels and serotonin polymorphisms in patients with FM and their daughters. This is a cross-sectional study, approved by the Ethics and Research Committee of the Hospital das Clinicas of Porto Alegre, RS (HCPA), performed at the Pain & Neuromodulation Laboratory. Thirty-five women diagnosed with Fibromyalgia and 39 daughters over 18-years-old without the diagnosis, were recruited. All participants signed the Informed Consent Term. The following instruments were used: Socio- Demographic Questionnaire, Functional Pain Scale, Beck Depression Inventory (BDI-II), State-Trait Anxiety Inventory (STAI), Catastrophism Scale, Resilience Scale, Pittsburgh Sleep Quality Assessment (PSQI), Pressure Pain Threshold (Algometer, Somedic AB, Stockholm, Sweden), Quantitative Sensory Test (QST), Conditional Pain Modulation (CPM), and International Physical Activity Questionnaires (IPAQ). Polymorphisms of the serotonin receptor (5HT2A) were analyzed in blood by the real-time polymerase chain reaction technique (RT-PCR). Data were tabulated and analyzed in statistical software SPSS version 20.0. Results showed a significant difference in the chronic pain profile, depressive behavior, anxiety state, catastrophism, resilience and sleep disorder. Mothers revealed higher results in these evaluations. CPM showed significant differences (P = 0.003) in the mothers high values versus the daughters, indicating less efficient activity in the descending modulatory system. IPAQ questionnaire results were homogeneous, evidencing that both groups are active. Serotonin serum levels did not present a significant difference. On the other hand, estradiol showed a significant difference (P <0.001) as the levels were higher in the daughters. The analysis of the polymorphisms in the 5-HT2A gene showed frequencies of 28.6%, 25.7% and 45.7% for the C / C, T / T and C / T genotypes, respectively in the group patients with FM, and frequencies of 25.7%, 17.1% and 57.1% in the group of daughters, without significant differences in the three genotypes between mothers and daughters. FM is likely composed of a diversity of causes, which includes genetics as an important factor. This study concluded that serotonin 5-HT2A receptor polymorphisms do not seem to be directly involved in the developmental mechanisms of the syndrome. Thus, considering the polygenic factors, new studies are necessary to understand the genetics involved in FM and development of new treatments, as well as to choose medications more suitable for an individualized treatment.
metadata.dc.contributor.advisor: Souza, Andressa de
Appears in Collections:Dissertação (PPGSDH)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
amlrabreu.pdf6.73 MBUnknownView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.